www.100Atalhos.com  Saber mais sobre: PEDESTRIANISMO | MONTANHISMO | BTT | CANOAGEM

  DOWNLOADS  ::  LINKS

AS CAMINHADAS

As Caminhadas »»

O BTT E OS TRILHOS

O BTT e os Trilhos

OUTRAS AVENTURAS

Outras Aventuras...

SOBRE O GRUPO

O Grupo...

Site ...

» Def. como HomePage
» Adic. aos Favoritos
» Abertura: 07/02/05
 

Produzido por:

Nº de Visitas:

[ 1194517 ]

 

Caminhadas / Percursos Pedestres                                                    «« Voltar 

 Rota do Xisto (PR9 - Arouca)                                                                      Data: 09-10-2011


www.100atalhos.com » Grupo Aventura 100atalhos Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar!
Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar!
Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar!

 VÍDEO

 

 

TRACK GPS

MAPA

PERFIL ALTITUDES

Download

Visualizar

Visualizar

» Nº de Downloads: 960

   

 
 


Este percurso tem inicio junto à igreja matriz de Canelas, sobe pela rua da Cordoaria até ao Cruzeiro rumando, de seguida, para o lugar da Pirraça, percorrendo o antigo caminho empedrado até ao Lugar de Cima. Daqui ruma para a “fonte da levada” e dali sobe até ao Centro de Interpretação Geológica de Canelas (CIGC) onde poderão ser observados fósseis de trilobites de inegável valor cénico e de extraordinário interesse científico.
Todo este troço do PR9 decorre por caminhos comuns ao GR28-“Por Montes e Vales de Arouca”, grande rota esta que, no CIGC, se separa da “Rota do Xisto” para continuar para o Gamarão de Cima e depois para Arouca, onde termina.

No CIGC, atravessa a EN 326-1 (Arouca-Alvarenga) e toma um caminho que ascende por uma cumeada no sentido Sudeste até ao ponto mais alto do percurso, com 581 metros de altitude, iniciando-se, aqui, suave descida até à estrada asfaltada que vai do citado centro de interpretação para o lugar de Mealha.

Percorre esta estrada cerca de 300 metros, no sentido descendente, até que, junto a uma torre de alta tensão, toma um caminho florestal que encaminha o
pedestrianista para Vilarinho. Antes de ali chegar, calcorreia um caminho antigo praticamente gravado na rocha, ouvindo-se lá em baixo, à direita, o ribeiro correndo por entre frondosa vegetação ripícula. Ao passar por este lugar de Vilarinho repare-se numa laje que dá conta de um acontecimento que revela Vilarinho como uma localidade já existente no Sec. IX.
Chega-se novamente à EN 326-1, que se percorre por uns 100 metros retomando, à esquerda, o antigo caminho das minas e que agora passa nas traseiras de um restaurante. Daqui até ao miradouro da cascata das Aguieiras são 1500 metros por caminhos fáceis e bem definidos.

Para aceder ao “miradouro”, toma-se um trilho à direita, num colo onde o caminho faz uma curva em cotovelo, trilho este que após atravessar um afloramento de quartzito desvenda uma extraordinária cascata por onde se precipitam as águas do ribeiro de Alvarenga entregando-as ao rio Paiva, numa paisagem de rara beleza, com o casario de Alvarenga lá à frente na sua verdejante e fértil chã, contrastando com o vale profundo do tumultuoso Paiva.

Volta-se ao caminho, continuando a subir suavemente com o rio à direita e a cascata ficando para trás. Chega a outro colo ou portela, na base do Cabeço do Pereiro, onde existe um entroncamento de estradões, tomando-se o da direita, que desce suavemente. Daqui à mina do Pereiro são uns 1200 metros. Esta é uma mina escavada no granito, apresentando alguma solidez e que para ser visitada requer que o visitante possua uma lanterna. A galeria principal - que terá uns 150 metros até à câmara - desenvolve-se na horizontal havendo, também, chaminés e poços para os quais se chama a especial atenção por constituírem perigo; ao longo do percurso é possível espreitar para o interior de outras minas.
Volta-se ao caminho principal que, descendo sempre, ruma ao rio Paiva, atingindo-se este por carreiros e quelhas antigas que decorrem sob um bosque típico de folhosas de inegável valor natural.

Após passar a uns 50 metros das ruínas da casa do barqueiro chega-se, por fim, ao Vau. É um recanto de grande beleza paisagística que convida a um descanso da jornada. Era aqui que se fazia a travessia de pessoas e bens entre as duas margens; as lousas da pedreira de Canelas eram aqui atravessadas na barca e, já do lado de lá, eram carregadas em carros de bois que as transportavam para Alvarenga e Nespereira onde iam cobrir as casas da região.
Aqui, no Vau, o PR9-“Rota do Xisto” encontra-se com o GR28-“Por Montes e Vales de Arouca” percorrendo caminhos comuns, quase sempre, até Canelas e dali até ao CIGC.

Do Vau, após passarem a cascata do ribeiro da Estreitinha percorrem, os dois, o caminho antigo na margem do Paiva até à rampa dos barcos de rafting. Aqui, o GR28 sobe pela estrada empedrada e o PR9 continua ao longo do rio até à confluência do ribeiro de Canelas, subindo depois até aos moínhos e daqui até à estrada empedrada onde se vai juntar, outra vez, com o GR28 seguindo juntos até Canelas e ao CIGC.

Após percorrer uns 200 metros pela estrada empedrada, tomam à direita um antigo caminho que ladeia os campos de cultivo e que após passar a ETAR chega ao lugar de Além do Ribeiro e ao largo da Gata. Aqui descem uma rampa até ao lavadouro público, na margem do ribeiro e a montante da ponte. Passados uns 100 metros sobem as escadas da Barroca, passam por uma estreita viela, virando à direita para o largo da Carvalheira. Daqui sobe-se para a igreja matriz, onde termina a “Rota do Xisto”.

Fonte: "cm-arouca.pt"

 

. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .

..:: © CarvalhalRedondo.com | Webmaster: Luís Veloso ::..
Optimizado para ser visto numa resolução de 1024x768.