www.100Atalhos.com  Saber mais sobre: PEDESTRIANISMO | MONTANHISMO | BTT | CANOAGEM

  DOWNLOADS  ::  LINKS

AS CAMINHADAS

As Caminhadas »»

O BTT E OS TRILHOS

O BTT e os Trilhos

OUTRAS AVENTURAS

Outras Aventuras...

SOBRE O GRUPO

O Grupo...

Site ...

» Def. como HomePage
» Adic. aos Favoritos
» Abertura: 07/02/05
 

Produzido por:

Nº de Visitas:

[ 1158339 ]

 

Caminhadas / Percursos Pedestres                                                    «« Voltar 

 Canhão do Vale dos Poios (Serra de Sicó)                                                     Data: 01-11-2015


www.100atalhos.com » Grupo Aventura 100atalhos Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar!
Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar!
Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar! Click na foto para ampliar!
 

TRACK GPS

MAPA

PERFIL ALTITUDES

Download

Visualizar

Visualizar

» Nº de Downloads: 413

   

 
 


"O imponente vale do Poio manteve até agora os seus encantos resguardados devido à inacessibilidade e inospitabilidade destas paragens, sendo apenas do conhecimento dos pastores e uns poucos aventureiros. Afortunadamente, uma fauna selvagem pouco comum, como o bufo-real, o peneireiro e o andorinhão-real (Apus melba), aqui encontrou abrigo suficientemente seguro.
É um dos maiores canhões fluviocársicos portugueses, formado por grandiosas vertentes escarpadas, que outrora a água escavou e modelou"

Junto à capela da aldeia, começamos por subir pela estrada de asfalto, do lado direito desta. Seguimos sempre por este lado até acabar o asfalto – logo à frente. Ainda pela direita continuamos pela estrada de baixo, em terra, ladeada por muros de pedra. Agarradas aos muros crescem as silvas que no Verão proporcionam-nos saborosas amoras. Ao longo deste caminho estabelecem-se olivais e campos agricultados, com milho, sobretudo. De vez em quando, encontramos algum pilriteiro de grandes dimensões do lado direito. Também deste lado vemos a aldeia de Poios. A marginar esta estrada estreita encontramos troviscos, cistáceas, arrudas e carrascos. Ao fim de alguns minutos chegamos a um pequeno largo/bifurcação. Continuamos para esquerda. Crescem, também aqui, alguns arbustos como a aroeira e o sanguinho-das-sebes. Logo à frente a estrada estreita ainda mais e passa a ser apenas um carreiro que, durante alguns metros, segue ao longo de um pinhal. O caminho é agora muito pedregoso. Passamos junto à placa de madeira que diz “Canhão do Vale dos Poios”. Vamo-nos aproximando da entrada do vale. Muitas roselhas atapetam a nossa encosta. Um pouco à frente somos surpreendidos por uma paisagem de aspecto agressivo - um vale imenso, profundo e de encostas escarpadas - que pouca vegetação sustenta.

Neste canhão fluviocársico a água só corre superficialmente em anos excepcionalmete pluviosos, brotando através de várias exsurgências, quando os caudais que fluem pelas galerias hipogeias engrossam demasiado. A certa altura o carreiro passa a ser empedrado, como se o homem tivesse disposto estas lajes de modo a facilitar a caminhada. Algumas oliveiras ainda sobrevivem no leito do vale. Vêem-se, nas encostas, alguns focos de erosão. Vamos descendo e o vale descreve uma curva para a esquerda. Aqui vêem-se algumas oliveiras, que arderam há bastante tempo e agora são apenas troncos carbonizados e despidos de vida. Seguimos o carreiro por entre um mar de fetos-macho. Um pouco à frente passamos por uma cavidade na rocha (um local assediado pela visita do homem que se reflecte nos detritos deixados por este). Continuamos junto à escarpa avançando. A certa altura temos que atravessar a floresta de fetos, que nalgumas zonas são da nossa altura, e continuar ao longo do lado direito do vale. Este vai estreitando e a sua imponência diminui gradualmente. Também termina o mar de fetos e caminhamos agora por cima de muita pedra. O caminho serpenteia por entre uma diversidade de espécies arbustivas: pilriteiros, sanguinho-das-sebes, aroeiras, murta, urze-branca, jasmineiro-do-monte e muitos carrascos. Também aparecem vários folhados. Logo acima esta densidade arbustiva diminui dando lugar a restos carbonizados de vegetação. A certa altura temos que subir pela direita para atingirmos o socalco superior. Continuamos a caminhar em frente, ao longo de um terreno agrícola e acabamos por apanhar uma estreita estrada apenas utilizada como um acesso aos terrenos cultivados. Esta encontra-se ladeada por densas sebes que quase a tapam. Sempre por esta estrada vamos acompanhando vários campos de milho. Ao fim de longos minutos atingimos outra estrada, mais larga, junto a uma “casota” de tijolo e cimento. Seguimos agora pela esquerda. A estrada começa a subir ao longo de um pinhal. Pouco depois surgem algumas casas e entramos na aldeia de Mocifas de S.º Amaro. A estrada é agora de asfalto. Logo a seguir à capela viramos à esquerda e depois, em frente, saímos do asfalto e subimos sempre até sairmos da aldeia. A estrada é larga, ladeada por muros de calcário e carvalhos. Um pouco à frente chegamos a um cruzamento. Dois espigueiros do lado direito. Continuamos por este lado. Sempre em frente, pela estrada principal, passamos pelas linhas de alta tensão. Percorremos uma paisagem dominada por olivais e muros de pedra. Voltamos a subir e chegamos a Covão das Favas, uma pequena localidade. Pisamos o asfalto e seguimos à direita. Logo acima, junto a umas alminhas, subimos em terra pela esquerda. Uns metros depois voltamos a pisar o asfalto e continuamos pela esquerda. Chegamos ao cimo, onde existe um restaurante do lado esquerdo e as antenas de rádio e o vértice geodésico da Estrela (398 m) do lado direito. Seguimos em frente e começamos a descer agora em terra batida. Logo abaixo vamos pelo caminho da esquerda que nos permite passar junto à capela da Sr.ª da Estrela. A estrada desce acentuadamente com um piso de areão. No fundo do vale vemos uma dolina, que possui sempre água, fornecendo abrigo a rãs, tritões-marmorados, libélulas entre outros pequenos seres. Atingimos a outra estrada que também descreveu uma descida desde a Sr.ª da Estrela. Continuamos pela esquerda ainda a descer (agora suavemente) e passamos pela dolina. Daqui debaixo é possível vermos toda a extensão da escarpa da Sr.ª da Estrela. Vêem-se oliveiras pelas encostas e no fundo do vale que percorremos. Logo depois entramos na aldeia de Poios. O piso é de asfalto.

Percurso baseado na Rota do Guia QUERCUS - Percursos na Serra de Sicó "P7 - O CANHÃO DO VALE DO POIO".

Fonte: www.terrasdesico.pt

 

. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .

..:: © 100atalhos.com | Webmaster: Luís Veloso ::..
Optimizado para ser visto numa resolução de 1024x768.